×
A contabilidade muda. Por aqui, você acompanha.

Receba novidades sobre contabilidade no seu e-mail:

Ao enviar seus dados, você reconhece que leu e entendeu nossa declaração de privacidade. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento. FECHAR
Os dados coletados pela IoT vão revolucionar o mercado
Inovação

A Internet das Coisas e a teoria do Infonomics

Adriano Ferreira
20 May 2019 SALVAR
Pressione Ctrl + D para adicionar esta página aos favoritos.

Alguma vez você foi perseguido por um anúncio na internet? Se sim, provavelmente foi porque procurou algum produto na rede. Assim toda vez que abre seu navegador, aqueles pop-ups pulam na tela. A sensação que temos é sermos espionados.

Pois cada vez que pesquisamos alguma coisa na internet, nossos dados são rastreados, captados e usados para traçar um perfil psicológico. Aparentemente, o objetivo dessa coleta de informações é alimentar o cruzamento de dados, vender publicidade e personalizar a experiência de navegação.

É uma verdadeira mina de ouro. Os dados de maior qualidade são aqueles que vêm das empresas com que temos interações profundas. Entre elas, Facebook (dona de Instagram e WhatsApp), Google (dona de Gmail, YouTube, Maps, Waze, Photos, Android), Microsoft (Skype), Amazon, Apple, Netflix e Twitter.

Por conta dessa avalanche de dados rastreada na Internet, desde 2012, o Gartner propôs um modelo econômico novo para medir o valor dessas informações, batizado de Infonomics. E juntando este fenômeno com a Internet das Coisas (IoT), cada vez mais conectada com objetos físicos, como geladeiras, aspiradores de pó ou até mesmo lâmpadas, o valor desses dados pode ser difícil de imaginar.

A valorização dos dados

Na era da Informação, o “combustível ou petróleo” passa a ser os dados. E a teoria do Infonomics converte essas informações em moeda. Ela define que a informação deve ser considerada uma nova classe de ativos (bens).

Isso porque tem valor econômico mensurável e outras propriedades que a tornam possível de ser contabilizada e administrada como qualquer outro tipo de ativo. E existem razões estratégicas, operacionais e financeiras significativas para torná-la realidade.

Veja alguns casos em que as informações geram valor nos negócios.

1. Facebook

As discussões sobre o uso de dados ganharam notoriedade principalmente depois do caso do Facebook que gerou repercussão mundial após a denúncia do jornal The Guardian. A questão foi que a empresa Cambridge Analytica teria coletado dados pessoais de 87 milhões de usuários da rede social nos Estados Unidos.

Com isso teria fomentado um sistema que permitiu predizer e influenciar as escolhas eleitorais em diversos países, dentre eles os Estados Unidos, na disputa presidencial que elegeu Donald Trump.

Na realidade, a Cambridge se aproveitou de uma “brecha” nas normas do Facebook. À época, a política da plataforma permitia que aplicativos externos coletassem dados das pessoas, mas eles deveriam ser usados apenas para melhorar a experiência do próprio usuário no aplicativo.

2. Netflix

Um dos maiores desafios da Netflix é oferecer personalização aos clientes. A plataforma utiliza algoritmos para que tudo funcione da forma mais eficaz. Ou seja, a empresa faz a leitura do conteúdo a que o cliente assiste, em que horário, se pausa no meio ou assiste integralmente.

Essa foi a maneira inovadora que a Netflix encontrou para garantir conteúdo personalizado. Trabalhando com os dados que formam os padrões de comportamento dos usuários ela define a sua estratégia de aquisição de conteúdos.

Assim, filmes, seriados e documentários, entre outros, só são lançados após análise e compatibilidade com o que o público pesquisa na plataforma. Esse é o maior valor da empresa.

Como a Internet das Coisas contribui para o Infonomics

Como o movimento da IoT está crescendo, são muitos os pontos que devem ganhar atenção. Um dos principais é a ampla abertura para o uso do conceito. Sim, porque não há limites de objetos físicos que podem ser conectados.

A IoT serve principalmente para facilitar o uso de determinados aparelhos e a realização de ações. Para reforçar esse objetivo, a maior parte dos dispositivos podem ser controlados a partir de um único smartphone ou tablet, desde que esteja, é claro, conectado à internet.

A tendência é de que os dispositivos com IoT podem chegar a 25 bilhões até 2021. No momento em que tudo está conectado e todos os dados e informações estão sendo rastreados, o tema ganha mais importância.

Na verdade, o objetivo é que o mundo físico e digital se tornem um só, por meio de dispositivos que se comunicam entre si. Porém, estas possibilidades apresentam riscos de segurança, uma vez que estaremos expondo carros, geladeiras e milhares de dispositivos a uma rede cuja segurança é difícil de controlar.

Sim, o risco da multiconexão é muito alto. À medida que a IoT amadurece e se torna amplamente adotada, surge uma enorme gama de questões sociais, legais e éticas.

A Internet das Coisas tem várias aplicações, como conectá-la à geladeira e ser avisado sempre que algo estiver faltando. Ao conectar um carro é possível ter dados sobre velocidade, consumo de combustível, quilometragem. Conectada a máquinas de uma fábrica, pode automatizar processos e obter estatísticas de produção.

Muito se fala sobre IoT, mas poucos se lembram que seu principal objetivo é a coleta de dados, que serão processados com o uso de algoritmos, produzindo informações que impactem a vida de pessoas e empresa. É justamente aí que ela se combina com a Infonomics, ao gerar mais informações de valor monetário.

Uma pesquisa do Gartner sobre projetos de IoT mostrou, entre 10 tendências, que 35% dos entrevistados estavam vendendo ou planejando vender os dados coletados. Até 2023, a compra e venda de dados de IoT serão parte essencial de muitos sistemas inteligentes e conectados.

Esses pontos incluem a propriedade dos dados e as deduções feitas a partir deles, incluindo tendência algorítmica, privacidade e conformidade com novas leis como o Regulamento Geral de Proteção de Dados (General Data Protection Regulation, GDPR – em inglês), que entrou em vigor em 2018 na União Europeia.

Com toda essa transformação digital acontecendo, mudando todo o panorama do uso dos dados e rastreando as necessidades dos clientes, no universo contábil não será diferente. Contar com tecnologias específicas que facilitem o trabalho colaborativo junto aos clientes será uma necessidade diária.

Imagine contar com a Internet das Coisas para capturar informações de maior valor sobre seus clientes e adaptar seus serviços e produtos ao perfil deles. Esse será o futuro da contabilidade.
Ficou interessado no tema? Acompanhe o artigo publicado sobre as principais tendências estratégicas para internet das coisas até 2030.

Nossa Declaração de Privacidade e Política de Cookies

Todos os sites da Thomson Reuters usam cookies para melhorar sua experiência on-line. Eles foram colocados no seu computador quando você acessou este site. Você pode alterar suas configurações de cookie através do seu navegador.